Culturas secundárias: entenda a relação com produtos sazonais e perenes

culturas secundarias
6 minutos para ler

As culturas secundárias ou alternativas são mais uma oportunidade de negócio para o agricultor. São culturas que visam o mercado nacional e têm como objetivo atingir um nicho específico do mercado.

Alguns exemplos de cultura alternativas são as frutas, o amendoim e o arroz sequeiro. Elas trazem mais renda para o produtor, e o melhor: em épocas diferenciadas do ano. Isso faz com que a fazenda tenha entrada de dinheiro ao longo de todas as estações.

Esse tipo de cultura corresponde a 85% da produção agrícola brasileira. Uma das grandes vantagens das culturas secundárias é a possibilidade de fazer rotação de culturas dentro da propriedade.

Quer entender melhor alguns aspectos importantes sobre esse tipo de cultura? Está no lugar certo! Leia até o fim e informe-se!

Irrigação

A irrigação é uma forma que o produtor tem de controlar melhor a produção. A prática complementa a quantidade de água que é naturalmente disponibilizada por meio das chuvas. A prática é uma solução para os períodos de secas no país, pois permite ao agricultor controlar o nível de umidade do solo.

Uma das maiores vantagens da irrigação é poder planejar o plantio. O produtor pode organizar um cronograma anual, pois ele sabe que conseguirá fornecer a quantidade de água que as culturas precisam para se desenvolver bem.

Isso permite ao agricultor fazer um rodízio de produtos sazonais, mesclando-os com as culturas perenes. O resultado é uma maior produtividade e maiores ganhos. Um sistema inteligente de irrigação ainda usa a água de forma moderada, sem desperdícios, garantindo uma maior rentabilidade e sustentabilidade para o negócio.

Sazonalidade

Com o avanço das tecnologias usadas no campo, atualmente é possível produzir praticamente qualquer cultura em todas as épocas do ano. Porém, quem é do campo sabe que existe uma época melhor para cultivar cada tipo de fruta, legume, grão etc.

A sazonalidade está relacionada a isso. Ela tem a ver com o período no qual cada cultura se adapta melhor às condições meteorológicas. Nessa época, o agricultor precisa investir menos insumos para produzir.

Por outro lado, os preços dos produtos também caem, já que há maior oferta. No mercado de commodities, essa é a época em que os produtores conseguem negociar preços mais baixos para a sua produção.

Nesses momentos, as culturas secundárias ajudam a equilibrar os ganhos da propriedade. Por terem um tempo específico para a produção, podem ser intercaladas com outras culturas e garantir maiores ganhos para o produtor.

Alguns exemplos de culturas sazonais são o morango, abacate, figo, amendoim e tantas outras culturas que se dão melhor em certas épocas. Além de aumentar a rentabilidade da propriedade, a prática promove uma rotação de culturas e o aproveitamento de áreas específicas do terreno.

Produtos perenes

Ao contrário dos produtos sazonais, as culturas perenes podem ser cultivadas com relativamente pouco esforço durante todo o ano. Alguns exemplos são a alface, o feijão, alho, a mandioca e a cenoura.

Essas espécies podem representar bons rendimentos para o produtor em todas as épocas. Para isso, a irrigação é um fator-chave. Com ela, é possível contornar os períodos de seca.

Já para contornar as chuvas excessivas, um bom serviço de previsão do tempo e clima vai permitir que o agricultor planeje melhor a produção. Assim, ele conseguirá evitar os períodos chuvosos que podem prejudicar safras de produtos como a soja, por exemplo.

Calor

Ondas muito fortes de calor ou verões muito intensos podem prejudicar muito a produção. As temperaturas altas demais levam ao amadurecimento precoce dos frutos.

O maior risco para o produtor é o apodrecimento de uma parte grande da safra. Para quem planta folhagens, o calor pode queimar as folhas e deixá-las feias. Esses produtos machucados costumam ser rejeitados pelo consumidor. Nem precisamos dizer que o resultado disso são perdas de rendimentos, não é mesmo?

O serviço de monitoramento meteorológico informa ao agricultor quando haverá uma onda de calor, ou quando as temperaturas no verão estarão mais altas. Com essas informações, ele pode planejar a safra.

Uma alternativa é plantar variedades que são mais resistentes ao calor e adaptam-se bem às temperaturas altas. Outra alternativa é compensar esse cenário com a irrigação e sombrites em determinadas áreas da propriedade.

No verão de 2018, o calor foi bastante intenso. Isso comprometeu muito as lavouras em todo o Brasil. Como resultado, os produtos de feira da cesta básica tiveram um aumento de preços.

Esse cenário não é bom para os consumidores, mas é ótimo para os produtores. Quem conseguiu uma boa produção, mesmo com o calor, pôde vender os produtos por um ótimo preço

Frio

Da mesma forma que o calor pode ser prejudicial para as lavouras, o frio intenso também pode causar danos. As geadas queimam as folhas e podem destruir uma lavoura.

Além disso, é preciso ficar atento ao esquema de irrigação. Com o frio, muda a evaporação da água do solo. Assim, o regime de regas tem que ser alterado para dar tempo ao processo de drenagem. Caso contrário, o solo pode ficar encharcado e prejudicar a produção.

Chuva excessiva

As chuvas irregulares podem ser um problema grave para a produção. O excesso de chuvas em um curto espaço de tempo pode encharcar o solo e colocar a perder grande parte de uma safra.

Um exemplo é a soja, que reage mal ao excesso de umidade no solo. A maioria dos processos de germinação das sementes de soja são anaeróbicos, ou seja, precisam de oxigênio. 

Quando o solo está encharcado, a semente não tem acesso ao oxigênio que precisa. Assim, a germinação não acontece. Além disso, menos nutrientes ficam disponíveis na terra. Como consequência, as plantas ficam menores e com produtividade mais baixa.

Em todos os casos que citamos neste artigo, um serviço personalizado de meteorologia é uma ferramenta que vai ajudar muito o produtor a controlar a interferência do clima na produção. O AgroSomar, por exemplo, é um serviço que faz o monitoramento das áreas e culturas selecionadas pelo agricultor.

Com essas informações, ele consegue tomar decisões mais precisas para a sua propriedade. Sabendo como o tempo vai se comportar ao longo do ano, é possível escolher quando investir nas culturas secundárias e quais variedades plantar. Dessa forma, é possível evitar o prejuízo no frio e no calor, e você ainda pode aumentar os ganhos! O serviço pode ser contratado de forma simples, pelo site do AgroSomar.

Ficou com alguma dúvida sobre as culturas secundárias? Deixe um comentário aqui no post!

Você também pode gostar

Deixe um comentário